Avaliação Física e Psicológica


Quando o encaminhamento feito pela perícia médica apresenta o código de Classificação Internacional de Doenças - CID osteomuscular, a porta de entrada nas avaliações inicia-se pela área de fisioterapia e quando a CID é de transtornos mentais e comportamentais, inicia-se pela área de psicologia.

Neste primeiro contato, o profissional faz um apanhado de informações importante para dar início à avaliação, através do histórico de vida ocupacional e histórico de vida atual do paciente, com intuito de traçar o perfil de saúde laboral e posteriormente traçar um plano de tratamento a curto prazo, caso o mesmo apresente condições de reinserção à atividade laboral.

Após o histórico, é realizada a avaliação física, através de uma avaliação estruturada, contendo protocolos validados com testes ortopédicos específicos e testes de simulação, sempre se baseando nas demandas comprovadas que o paciente apresenta em seu histórico, incluindo CIDs secundárias e as suas comorbidades, caso existam.

Para que ao final, caso o paciente seja inserido à atividade laboral, não apresente agravo do seu quadro de saúde, o profissional de fisioterapia, baseia-se em uma tríade de fatos que compõe a avaliação física, para que chegue ao um resultado final e construção de restrições físicas inerente a cada caso. São analisadas as queixas comparando ao exame clínico e aos exames complementares.

Já na avaliação psicológica, é realizada o acolhimento do paciente, levantamento de sintomas, histórico de vida pregressa, histórico de tratamentos e é aplicado uma avaliação semiestruturada contendo informações desde a infância e o psicodesenvolvimento do indivíduo no geral até um apanhado da qualidade de vida atual, relacionamentos interpessoais, convívio social, ambiente de trabalho e o exame das funções mentais. Se o prognóstico do mesmo for positivo, dá-se prosseguimento nos atendimentos psicológicos com o intuito da estabilização e remissão dos sintomas bem como sua reinserção profissional.

Avalia-se a necessidade de restrições psíquicas, levando em consideração o histórico do paciente, as queixas e comportamentos apresentados, as observações feitas pelo profissional durante os atendimentos e a comparação da postura do mesmo perante aos outros atendimentos realizados no Programa de Reabilitação Profissional, a sintomatologia atual, tratamento medicamentoso e a relação do quadro psíquico atual com o trabalho e seu ambiente.

Autoras

Isabelle Cristina Balestrin – Fisioterapeuta. Especialização em Osteopatia. Perita Plena em Perícias Judiciais no âmbito legal e Membro da Associação Brasileira de Fisioterapia Forense. Coordenadora de Reinserção do Programa de Reabilitação Profissional – PRP de Videira-SC.

Adelise Ribas Morando – Psicóloga. Pós-Graduada em Avaliação Psicológica com formação em Análise Bioenergética. Membro da equipe de Assistência do Programa de Reabilitação Profissional – PRP de Videira-SC.